5 mar. 2021 | 14h22 BRT

Diversidade contra o ódio e a desinformação

Bibiana Maia Por

Bibiana Maia

Os jornalistas Alexandre Borges, André Fran e Cecília Olliveira; os atores Antonio Tabet, Bruna Linzmeyer, Gabriela Loran, Maria Flor e Thainá Duarte; o ativista Jota Marques; o cantor e ator Léo Jaime; a psicóloga Cecília Dassi; as influenciadoras digitais Nathaly Dias (Blogueira de Baixa Renda) e Nayara Almeida (Engajamundo); o pastor batista Pedrão; o secretário de Educação do Rio de Janeiro, Renan Ferreirinha. Esses foram os 15 convidados do nosso nono workshop de educação midiática para influenciadores digitais, que rolou nos dias 1 e 3 de março, virtualmente.

A diversidade dos participantes dos nossos encontros é um dos pontos mais interessantes do trabalho do Redes Cordiais. A partir de cada workshop, todos os participantes passam a fazer parte da comunidade Redes Cordiais, que agora conta com 169 influenciadores, que juntos falam com mais de 108 milhões de seguidores.

No workshop, eles dividiram experiências que tiveram com desinformação e ódio digital, muitas vezes falando pela primeira vez sobre ataques que sofreram e sofrem. O encontro é propositalmente reservado, para que todos se sintam seguros e acolhidos. Eles aprendaram e ensinaram um pouco sobre desinformação, discurso de ódio e cibersegurança.

Com uma longa trajetória na internet, Antonio Tabet, fundador do Porta dos Fundos, dividiu sua percepção sobre a cultura do cancelamento, que, como volta e meia falamos aqui, caminha lado a lado com o discurso de ódio: “Temos de coibir o ódio do outro, mas também a nossa vaidade. Ela faz com que a gente aponte o dedo com pressa pelo protagonismo acusatório sem se importar com uma possível injustiça. O tribunal das redes sociais condena antes de apurar”, opinou.

Já a atriz Gabriela Loran contou como é difícil levar a realidade de ser uma mulher trans e enfrentar a hostilidade nas redes ao desmistificar tabus.

Tabet, Loran e os outros 12 tiveram contato com técnicas de Comunicação Não-Violenta, numa oficina do precursor da área no Brasil, Dominic Barter; com formas de combater a desinformação, numa oficina da cofundadora do Redes Cordiais Clara Becker e da nossa pesquisadora de desinformação, Gabriela de Almeida. Cofundador do Redes Cordiais, o jornalista Guilherme Amado conduziu a dinâmica sobre como lidar com o ódio digital, quando citou o livro da filósofa alemã Carolin Emcke, que defende que a única maneira de lidar com o ódio é por meio da razão.

O workshop do Redes Cordiais tem apoio do Instituto Betty e Jacob Lafer e do National Endowment for Democracy, além de parceria com Instituto Tecnologia e Sociedade, InternetLab, Pensata e Casé Fala.


Veja também